E-mail:

O seu nome (obrigatório)

O seu e-mail (obrigatório)

Telefone para contato (obrigatório)

Assunto (obrigatório)

A sua mensagem (obrigatório)

Televendas:

+55 11 2618-5411

Ligação gratuita:

0800 125411

Onde estamos:

Rua Taquaritinga, 139 - Mooca - São Paulo/SP

Os Pontos Cardeais

por / Segunda-feira, 20 Janeiro 2014 / Publicado em: Mundo, Planeta Terra, Portal Geografia / ImprimirImprimir / Indique para um amigoindique a página

 

Como orientar as direções

O Sol surge a leste e se põe a oeste. Ponha sua mão direita a lesta: no seu peito está o norte e às suas costas está o Sul.

Cálculo da rotas

Uma linha reta sempre une um ponto ao outro pelo caminho mais curto.

O Círculo Máximo, no Globo da Terra, representa a união desses pontos.

O equador é a referência a ser utilizada.

Digamos que você deseja conhecer a rota aérea mais curta ente S. Paulo (Brasil) e Tóquio (Japão). Depois de ligadas as cidades de partida e destino a reta traçada é levada a coincidir com a linha do equador.

Nas rotas marítimas o círculo máximo se difere por causa da necessidade de contornos das regiões perigosas à navegação. Note-se que as rotas de círculo máximo significam encurtamento de distâncias.

No Globo representativo da Terra são representadas por linhas retas, o que não acontece com os planisférios, em que os traçados têm de ser curvos.

Representação do círculo máximo nos planisférios

Cálculo das distâncias:

As distâncias são medidas por quilômetros, milhas, etc.

As mais comuns são as acima. As rotas marítimas são calculadas em milhas marítimas e as rotas aéreas em milhas terrestres.

Uma milha marítima tem 6,076.1 pés, ou seja, 1.852 metros.

A milha terrestre tem 5.280 pés, correspondendo a 1.609 metros.

Para se converter milha marítima em terrestre, multiplica-se a cifra por 1.15.

As Coordenadas:

A localização de um ponto qualquer da Terra exige indispensavelmente o estabelecimento de coordenadas.

Quem está num ponto fixo, em casa ou na escola, pela simples consulta do quadro de latitudes e longitudes, sabe que o Rio de Janeiro está a 23.S e 42.W.

Mas quem está a bordo de um barco perdido num ponto qualquer do oceano tem de fazer certos cálculos indispensáveis se quiser ser localizado. A esses cálculos dá-se o nome de Coordenadas.

Tomemos por base uma casa à beira-mar, localizada a 100 metros da praia, em frente e a 40 metros das avenidas de lado.

Temos acima um exemplo de Coordenadas, que são, como se vê, distâncias calculadas para determinadas posições.

Latitude e Longitude:

No Globo representativo da Terra há duas linhas principais de referência para as coordenadas que são:

A linha do Equador

A linha do meridiano de Greenwich

A linha do equador que divide o globo em hemisfério Norte e hemisfério Sul.

A linha do meridiano de origem que corre de pólo a pólo, atravessando-os.

Assim, tais linhas envolvem o globo tanto em extensão quanto em profundidade.

Note-se que o meridiano de origem é sempre o Meridiano de Greenwich, representado no nosso globo por uma cota azul, que no equador coincide com 0º.

Para se determinar as latitudes, são usadas os paralelos, que são linhas paralelas ao equador, que vão de zero a 90º a partir do equador, determinando a latitude norte ou sul.

A longitudes, de zero a 180º são determinadas pelos Meridianos, a partir do principal, que é o de Greenwich.

No caso do barco perdido, portanto, é preciso primeiramente determinar sua latitude que pode ir de zero a 90º pela linha do equador, e em seguida a longitude, de zero a 180º pelos meridianos, a partir do principal.

A latitude poderá ser norte ou sul, e a longitude leste ou oeste, com o direcionamento circunstancial (nordeste, sudoeste, etc.).

Depois de estabelecida a coordenadas latitude-longitude, resta a localização exata.

O Globo está dividido em graus, recorde-se . Cada grau tem 60 minutos (60) e cada minuto 60 segundos (60).

Sobre o globo, entre um meridiano e outro são feitos os cálculos. Por exemplo, se o barco estiver localizado digamos entre 30 e 40 de longitude oeste, o cálculo de minutos e segundos dará a sua posição exata.

Suponhamos que você esteja no Rio de Janeiro. São 13:00 horas (1:00 PM) e você deseja saber que horas são em Paris, Roma, Cairo e Tóquio.

Faça girar o globo até que Rio de Janeiro se encontre diretamente debaixo da Régua de Meridianos.

Coloque o quadrante horário de modo que a hora 1:00 (PM) também apareça diretamente debaixo da Régua de Meridianos.

O indicador estará então alinhado com Rio de Janeiro.

Agora, faça girar o globo outra vez, até que Paris esteja sob a Régua de Meridianos e observe a leitura do quadrante horário, que deverá marcar 4:00 PM = 16 horas.

Repita o mesmo processo e faça girar o globo até que Roma esteja sob a Régua de Meridianos.

Alí são 5:00, PM ou 17 horas.

Se fizermos o mesmo com a cidade do Cairo veremos que lá são 6:00 (PM), ou (18 horas).

Seguindo para Tóquio, o dia já estará findo, pois é uma hora da manhã seguinte.

O quadrante horário está dividido em seções de meia hora, podendo, contudo, calcular-se unidades menores de tempo, com relativa exatidão. Para medir distâncias e viajar por rotas do círculo máximo.

Quando se viaja por longas distâncias sobre a Terra, é mais conveniente seguir as rotas do círculo máximo, já que estas representam sempre a distância mais curta entre dois pontos.

No globo, como na Terra, um círculo máximo segue uma linha reta.

No mapa plano, qualquer parcela de um círculo máximo aparece como uma linha curva e aparenta ser uma rota com desvio.
Por esta razão, uma linha reta traçada sobre um mapa plano se converte em uma linha curva sobre o globo; portanto, é uma linha ou rota mais comprida que um círculo máximo.

Como o globo é reprodução da Terra as rotas que aparecem como as mais diretas nele, são as mais curtas.

O círculo máximo se chama máximo porque é o maior círculo que se pode traçar sobre um globo. O equador é um círculo máximo, ao passo que o Trópico de Câncer e o Trópico de Capricórnio são círculos menores.

Quando obstáculos de terra firme, gelo ou correntes marinhas perigosas, não se interpõem na rota, os navios procuram navegar pelos círculos máximos; mas, para os aviões essas dificuldades não existem e podem rodear o globo todo, atravessando oceanos, montanhas e continentes com a mesma facilidade.

Seguindo círculos máximos em lugar das antigas rotas comerciais por mar e terra, abrevia-se o tempo e encurtam-se as distâncias.
É agradável “viajar” pelo globo e seguir as rotas de círculo máximo que são, hoje, as rotas aéreas. Agora que você sabe como achar lugares determinados em seu globo, procure traçar e medir distâncias.

Para a medição, é suficiente um barbante. Faça um nó numa das pontas, para usá-lo como ponto de partida.

Estenda-o ao comprido da rota que deseja medir e marque com uma caneta no barbante, o ponto de destino.

Para saber quantos quilômetros distam os dois pontos que deseja medir, basta estender o fio sobre a escala do Equador colocando o nó em 0º e, após verificar quantos graus tem o comprimento do barbante, multiplique o número de graus por 128 Km. (Os graus estão representados por números azuis seguidos do símbolo de grau sobre a linha do Equador. Ex.: 180º é o número que ladeira o Meridiano de Greenwich, um grau no círculo máximo sempre equivalente a 128 Km.).

Assim você saberá a quilometragem total.

Calcule a velocidade do avião em 800 Km. por hora, e terá também o tempo que aproximadamente levará para chegar de um ponto ao outro.

Faça outras experiências, tomando outras cidades, tais como Brasília ou São Paulo, como ponto de partida e procure achar suas distâncias de outros centros urbanos, tais como Paris, Roma, Nova Iorque ou Tóquio.

Ao traçar rotas sobre o globo, imediatamente você descobrirá que muitas das rotas de círculo máximo mais importantes passam por sobre o Pólo Norte.

A região dos gelos eternos do Norte já não é uma barreira para os aviões que voam por sobre o Norte com destino ao Oriente e a outros centros importantes do mundo.

Subir